HISTÓRICO

O Oficina Música Viva iniciou suas atividades em março de 2006 como ampliação das áreas Criação e Difusão de Música Contemporânea da Fundação de Educação Artística (FEA). Formado por instrumentistas,  regentes e compositores  de Belo Horizonte,  é voltado  especialmente  para produção e divulgação de música contemporânea. O nome é uma homenagem ao movimento Música Viva, idealizado por H. J. Koellreutter e que reuniu compositores dos anos 40 e 50 no Rio de Janeiro, com grande repercussão e consequências importantes para a música brasileira no século XX.

ATIVIDADES

Sob a direção de Rubner de Abreu, vem materializando uma soma de ações que configuram a contribuição da FEA no campo da criação de música contemporânea neste início de século. O grupo realiza concertos regulares que, desde 2007, são gravados pela Rede Minas de Televisão e veiculados para todo o Estado em um programa mensal intitulado “Outros Sons”, além de ter obras também veiculadas em dois programas pela Rádio Inconfidência em Belo Horizonte.

REPERTÓRIO

O grupo já realizou diversas apresentações com estréias de obras significativas do repertório do século XX e XXI de autores consagrados do repertório internacional, da música latino-americana e da brasileira. Entre os compositores já executados, destacam-se Arnold Schoenberg, Luciano Berio, Yannis Xenakis, Toru Takemitsu, Olivier Messiaen, Jonathan Harvey, João Pedro Oliveira, os argentinos Mario Mary, Eduardo Bertola e Dante Grela, o mexicano Mário Lavista, os brasileiros Almeida Prado, Guerra-Peixe, Eunice Katunda, H.J.Koellreutter, Jorge Antunes, Silvio Ferraz e os mineiros Rogério Vasconcelos, Gilberto Carvalho, Guilherme Nascimento, Sergio Freire, Oiliam Lanna, Eduardo Campolina e Sérgio Rodrigo Lacerda.